domingo, 29 de janeiro de 2017

Theresa May recusa-se a condenar política de Trump sobre refugiados

A primeira-ministra britânica, Theresa May, durante coletiva de imprensa conjunta com o presidente americano, Donald Trump, em Washington D.C., no dia 27 de janeiro de 2017
A primeira-ministra britânica, Theresa May, recusou-se neste sábado a condenar a decisão americana de suspender a admissão de refugiados, afirmando que os Estados Unidos são responsáveis por sua política neste tema.

"Os Estados Unidos são responsáveis pela política americana sobre os refugiados. O Reino Unido é responsável pela política britânica sobre os refugiados", respondeu May após ter sido pressionada repetidas vezes a dar sua opinião sobre a ordem executiva de Trump, em uma coletiva de imprensa com seu contraparte turco, Binali Yildrim, em Ancara.

"E nossa política de refugiados é ter um número de programas voluntários para trazer refugiados sírios para o país, especialmente os mais vulneráveis, mas também prover ajuda financeira significativa para apoiar os refugiados nos países próximos à Síria", acrescentou.

No mesmo dia em que May visitou Washington para se reunir com o presidente americano, Donald Trump, e, assim, impulsionar as relações bilaterais, o novo presidente ordenou suspender a entrada de refugiados no país.

Além disso, impulsionou um forte controle aos viajantes vindos de Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen.

May havia se recusado em um primeiro momento a comentar o decreto de Trump.

Entretanto, elogiou a Turquia por sua hospitalidade, ao abrigar cerca de três milhões de refugiados da Síria e Iraque.

Yildrim, ao contrário, condenou implicitamente a decisão de Trump, afirmando que a construção de muros não resolverá a crise dos refugiados.

"Não podemos resolver o problema dos refugiados erguendo muros", disse Yildrim.

Binali Yildrim insistiu em que diante da dezenas de milhões de refugiados em todo o mundo, este é um problema que "não pode ser ignorado", mas que deveria ser resolvido com uma maior cooperação entre países.

"Abrimos nossas portas, e se ele voltarem a vir, tornaremos a acolhê-los", disse, acrescentando: "os problemas regionais não podem ser resolvidos escondendo-os debaixo do tapete".

Segundo as autoridades turcas, o país acolhe 2,7 milhões de refugiados sírios e 300.000 refugiados iraquianos.

Yildrim disse que não podia fazer "juízos de valor a partir de rumores", referindo-se ao decreto de Trump.

AGENCIA AFP

0 comentários:

Postar um comentário